A PARTICIPAÇÃO SOCIAL POR MEIO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS NO PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA VISANDO O DESENVOLVIMENTO URBANO: EQUIPAMENTOS PÚBLICOS COMUNITÁRIOS NO BAIRRO NOVO HORIZONTE – FEIRA DE SANTANA- BAHIA

Autores

  • Adelmo Santos da Silva

DOI:

https://doi.org/10.13102/jeuefs.v2i2.6011

Resumo

INTRODUÇÃO

O presente trabalho está articulado ao Plano de Extensão elaborado e executado no período de 2019/2020, supracitado no titulo. O objetivo geral foi identificar as demandas em relação aos equipamentos públicos comunitários, face às organizações coletivamente organizadas no Bairro Novo Horizonte. Para alcançar o objetivo proposto foram traçados quatro objetivos específicos, a saber: a) identificar as organizações coletivamente organizadas no Bairro Novo Horizonte; b) criar de estratégias de diálogos via dinâmicas de participação para que a comunidade possa se manifestar; c) diagnosticar as demandas de equipamentos públicos comunitários, como, educação, saúde, cultura, assistência social, esportes, lazer, segurança pública, abastecimento, serviços funerários e congêneres, em conjunto com as organizações coletivamente organizada na comunidade; d) elaborar um quadro com as demandas das organizações do bairro referentes às deficiências de equipamentos públicos, indicando quais as áreas está mais necessitadas do bairro.

É válido, aqui, justificar que a escolha do bairro fundamentou-se, principalmente, em três aspectos: a) localização próxima da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS); b)condições de vulnerabilidade socioeconômica de parte dos moradores, evidenciado na (Figura 1), mediante os dados de 2010, do IBGE, sobre renda média salarial dos chefes de família nos bairros em Feira de Santana  e c) devido à inexistência e/ou deficiência de alguns equipamentos públicos comunitários - decreto de nº 7.341 de 22 de outubro de 2010, em seu § 2o  consideram-se equipamentos públicos comunitários as instalações e espaços de infraestrutura urbana, destinados aos serviços públicos de educação, saúde, cultura, assistência social, esportes, lazer, segurança pública, abastecimento, serviços funerários e congêneres - de extrema importância para o Bairro, conforme mostra o diagnóstico realizado e transcrito na Tabela 01.

É válido destacar que o plano de Extensão desenvolvido atingiu sua essência de modo a contribuir para maior aproximação entre Universidade e comunidade. A interação entre ambas pode colaborar no melhor acesso à infraestrutura urbana, na criação de estratégias compartilhadas para a solução de problemas, e na melhoria da qualidade de vida de crianças, jovens, idosos, homens e mulheres. É importante destacar o caráter interveniente das ações extensionista, da troca de diálogo e experiência entre Comunidade e Universidade, proporcionada pelos saberes populares e ainda pelas teorias acadêmicas. Essa práxis contribui na geração de conhecimentos e desenvolvimento comunitário.

 

Biografia do Autor

Adelmo Santos da Silva

Estudante de Licenciatura em Geografia e bolsista PIBEX na Universidade Estadual de Feira de Santana UEFS.

Referências

ALMEIDA, Aelson Silva de. A contribuição da Extensão Universitária para o desenvolvimento de Tecnologias Sociais. Tecnologia Social e Desenvolvimento Sustentável: Contribuição da RTS para a formulação de uma politica de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação. (Org.). Rede de Tecnologia Social – RTS – (Brasil). – Brasilia/DF: Secretária Executiva da Rede de Tecnologia Social (RTS), p. 9 – 15. 2010.

BRASIL. Decreto n. 7.341, de 22 de outubro de 2010. Dispõe sobre a regularização fundiária das áreas urbanas situadas em terras da União no âmbito da Amazônia Legal, definida pela Lei Complementar no 124, de 3 de janeiro de 2007, e dá outras providências.

SOUZA, Marcelo Lopes de. A prisão e a ágora: reflexões em torno da democratização do planejamento e da gestão das cidades. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

Downloads

Publicado

2021-11-19