Por um ciclo do cacau ampliado: Gabriela, cravo e canela, de Jorge Amado

Autores

  • João Paulo Ferreira dos Santos Universidade de Brasília.
  • Edvaldo Aparecido Bergamo Universidade de Brasília.

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22i3.7022

Resumo

O presente artigo pretende examinar o romance Gabriela, cravo e canela, publicado 1958 pelo escritor baiano Jorge Amado (1912-2001). A narrativa in foco insere-se no conjunto de histórias que têm a cultura cacaueira e o território sul baiano em comum, daí entendermos que a obra em questão faz parte de um ciclo, o ciclo ampliado do cacau. Desse modo, em contato com o composto de narrativas do cacau, em especial Gabriela, é possível perceber além da vida e da lida das mais distintas figuras estético-sociais, o complicado processo de desenvolvimento local e, por extensão, a contraditória modernização nacional. Os limites do latifúndio e das oligarquias rurais ao serem confrontados por uma certa classe burguesa liberal ascendente, sucumbem parcialmente. E é sobre esse processo sócio-político-econômico que se sustentam os romances do ciclo do cacau amadiano. Gabriela, cravo e canela talvez seja a narrativa mais bem-acabada de tal circuito: ajustada, do ponto de vista estético, dentre outros fatores, no embate político entre o velho Ramiro Bastos e o exportador Mundinho Falcão, consegue dar a ver as limitações e os impasses de uma ordem em crise, no tocante ao fenecimento de uma era e ao surgimento de um “mandonismo modificado”.

Biografia do Autor

João Paulo Ferreira dos Santos, Universidade de Brasília.

Possui Graduação pela UNEB (2011), Mestrado em Literatura pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura da Universidade de Brasília (2017) e Doutorado (em andamento), também, pelo PosLit/UnB.

Edvaldo Aparecido Bergamo, Universidade de Brasília.

Possui Graduação (1993), Mestrado (1998) e Doutorado (2006) em Letras pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), com ênfase na área de Literatura Comparada. É professor de Literatura Portuguesa e de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa do Departamento de Teoria Literária e Literaturas (TEL) do Instituto de Letras (IL) da Universidade de Brasília (UnB).

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Jorge Amado: política e literatura. Rio de Janeiro: Campus, 1979.

ALVES, Ivia. “As relações de poder da crítica literária e os romances de Jorge Amado” In: FRAGA, Myriam; FONSECA, Aleilton; HOISEL, Evelina (orgs.). Jorge Amado: 100 anos escrevendo o Brasil. Salvador: Casa de Palavras, 2013.

AMADO, Jorge. Gabriela, cravo e canela – crônica de uma cidade do interior. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

BASTOS, Hermenegildo. Um romance histórico de Leonardo Sciascia. Revista Matraga, Rio de Janeiro, v. 19, n. 31, jul./dez 2012, p. 156-173.

DUARTE, Eduardo de Assis. Jorge Amado: romance em tempo de utopia. Rio de Janeiro: Record; Natal: UFRN, 1996.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil – Ensaios de interpretação

sociológica. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto – o município e o regime representativo no Brasil. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LUKÁCS, G. O romance histórico. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2011.

PRADO JR. Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 2004.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O mandonismo local na vida política brasileira e outros ensaios. São Paulo: Alfa-Omega, 1976.

RAILLARD, Alice. Conversando com Jorge Amado. Rio de Janeiro: Record, 1990.

SCHWARZ, Roberto. A ideias fora do lugar. In: ______. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 5. ed. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.

Downloads

Publicado

2022-05-07

Como Citar

Santos, J. P. F. dos, & Bergamo, E. A. (2022). Por um ciclo do cacau ampliado: Gabriela, cravo e canela, de Jorge Amado. A Cor Das Letras, 23(1), 141–162. https://doi.org/10.13102/cl.v22i3.7022

Edição

Seção

Dossiê: Um Jorge Amado para o século 21: leitores, narração, identidade, humanismo e mundos ficcionais