Gabriela: revistiando o seu tempo e a sua glória

GABRIELA: REVISITING YOUR TIME AND YOUR GLORY

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22i3.7426

Palavras-chave:

Gabriela cravo e canela História, Jorge Amado, literatura baiana

Resumo

Este texto pretende fazer uma releitura do romance Gabriela, cravo e canela, de Jorge Amado, rememorando o tempo da sua escritura sem perder de vista o período da sua publicação, o ano de 1958, a década em que foi escrito e seus valores, tanto políticos quanto estéticos, considerando que a transparência histórica que perpassa toda a obra do escritor, favorece o reconhecimento do contexto em que seus escritos foram produzidos. Gabriela é a primeira personagem feminina construída, nesse contexto, uma representação literária que denuncia a afirmação e o anseio do autor de representar e exportar a cultura de sua terra e de seu povo, através do exotismo e da exuberância. Para tanto foi realizada uma extensa pesquisa bibliográfica, representativa das leituras e  avaliações do romance considerado como um marco divisor e como um dos romances mais emblemáticos do escritor Jorge Amado.

Biografia do Autor

Alzira Tude Sa, Instituto de Ciência da Informação- Universidade Federal da Bahia

Profa. Dra. Departamento de Fundamentos e Processos Informacionais-ICI-UFBA

Referências

AMADO, Jorge. Gabriela, cravo e canela. 77 ed. Rio de Janeiro: Record, 1995. (Obras ilustradas de Jorge Amado, 14).

BESSA-LUIS, Augustina. Memórias paralelas da Baía. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado, 1989

BRITO BROCA. A Bahia de Jorge Amado em Gabriela, cravo e canela. Visão, Rio de Janeiro, n.14, nov. 1958.

CARR, Stella. Vamos falar de Jorge Amado. Jornal de Letras. Rio de janeiro, n. 207, p.13, jul. 1967.

CARVALHO, M. do S. Imagens de um tempo em movimento: cinema e cultura na Bahia dos anos JK (1956-1961). Salvador: UFBA/FFCH, 1992. Dissertação de Mestrado.

COROMINAS, Juan. Incidencia feminina em la structura de Gabriela, cravo e canela. Hispania, n.68. p. 484-489. set. 1985.

COUTINHO, A. Gabriela, cravo e canela. Correio Paulistano. São Paulo, 1959.p.5

DASSHKEVICLH,Yuri. Prefácio de Gabriela, cravo e canela. Moscou: Editora IL,1961.

DUARTE, E. A. Classe, gênero e etnia: povo e público na ficção de Jorge Amado. Cadernos de Literatura Brasileira, Instituto Moreira Sales, n. 3, mar. 1997.

DUARTE, E. A. Jorge Amado: romance em tempo de utopia. Rio de Janeiro: Record, 1995.

HECKER FILHO, Paulo. Gabriela, cravo e canela. Diário de Notícias, Porto Alegre, 4, set., 1960. Publicado também no Estado de São Paulo, 2, jul., 1960. também em Jorge Amado: 30 anos de Literatura. São Paulo: Martins, 1961.

IRON, Jeromy. Sobre a Bahia. Caras, Rio de Janeiro, ano 5, n.39, set.1998.

JORGE Amado; o romancista da realidade brasileira. Manchete, Rio de Janeiro, n.1319, p.37, jul. 1977.

LIMA, Alceu Amoroso. Gabriela ou o crepúsculo dos coronéis. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 1959. Publicado.

LIMA, Abdias. Gabriela. Gazeta de Notícias, Fortaleza, 1958. Publicado também em Jorge Amado: 30 anos de literatura. São Paulo: Martins,1961. p. 26.

MAROTTI, Giorgio. Jorge Amado; brasilidade negra. In:MAROTTI, Giorgio. Perfil sociológico da literatura brasileira. s.n.t.

NIST, John. Gabriela, clove and cinamon. Arizona Quartely, v.19, n.1, spring. 1963.

OURO PRETO, M. A moça do ano. Shopping News, Rio de Janeiro, dez., 1958.

ORTIZ, R. A moderna tradição brasileira. 3.ed.São Paulo: Brasiliense, 1991.

PELLEGRINI, T. A imagem e a letra: aspectos da ficção brasileira contemporânea. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: FAPES, 1999.

PLAYBOY entrevista Jorge Amado. Playboy, São Paulo, ano 64, n.64, p.50.1980.

PORTELA, Eduardo. Gabriela. O Estado, Fortaleza, 4, jan., 1959.

RAILLARD, A. Conversando com Jorge Amado. Rio de Janeiro: Record, 1990.

RAMOS , Ricardo. Gabriela e as outras mulheres de Jorge Amado. SB, Itabuna, 10, ago., 1975.

JORGE Amado; o romancista da realidade brasileira. Manchete, Rio de Janeiro, n.1319, p.37, jul. 1977. Arizona Quartely, v.19, n.1, spring. 1963.

ROCHA, H. Gabriela, um novo caminho. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 30 ago. 1958.

ROCHE, Jean. Jorge bem/mal amado. São Paulo: Cultrix,1987

SANTIAGO, S. A crítica literária no jornal. In: O cosmopolitismo do pobre: crítica literária e crítica da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

SANTIAGO, S. Literatura e cultura de massa. In: Cosmopolitismo do pobre: crítica literária e crítica cultural. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

SILVA, M. R. da. O rumor das cartas: um estudo da recepção de Jorge Amado. Salvador: Fundação Gregório de Matos/ EDUFBA, 2006.

SUAREZ, Ramon. Tres etapas em el desarrollo de la novela brasilenã. Revista Chilena de Literatura, Santiago, ano 44, n.1531, p.15-31. 1994.

Downloads

Publicado

2022-05-07

Como Citar

Sa, A. T. . (2022). Gabriela: revistiando o seu tempo e a sua glória: GABRIELA: REVISITING YOUR TIME AND YOUR GLORY. A Cor Das Letras, 23(1), 173–184. https://doi.org/10.13102/cl.v22i3.7426

Edição

Seção

Dossiê: Um Jorge Amado para o século 21: leitores, narração, identidade, humanismo e mundos ficcionais