Representações da pluralidade cultural na luta para a inclusão e contra o racismo. O sonho intercultural na vida e na obra de Jorge Amado

Autores

  • Antonella Rita Roscilli

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22i3.7781

Palavras-chave:

Jorge Amado, Crítica Literária, Intercultura, Alteridade, Racismo

Resumo

Nosso trabalho tem o objetivo de refletir sobre a noção de Pluralidade Cultural na obra de Jorge Amado. Por isso busca problematizar as relações entre o conceito de Alteridade, Racismo e o pensamento do escritor brasileiro Jorge Amado (1912-2001) que fez da literatura uma ferramenta para lutar contra os preconceitos raciais. Analisando alguns momentos importantes da  sua biografia e alguns elementos de mediação simbólica, presentes em obras literárias como "Capitães da Areia", "Gato Malhado e Andorinha Sinhá" (1948), "Dona Flor e seus dois maridos" (1966) e "Tenda dos Milagres" (1969), mostramos a modernidade e atualidade do pensamento de Jorge Amado também em relação ao conceito de Intercultura. O trabalho aqui proposto é parte integrante das pesquisas que viemos desenvolvendo desde 2010 e que começamos a apresentar no Curso Jorge Amado 2012 - II Colóquio de Literatura Brasileira, na Academia de Letras da Bahia-ALB. (Brasil).

Referências

AA.VV. O Negro no Brasil. Trabalhos apresentados ao “ Congresso Afro-Brasileiro reunido-Bahia-de 1937. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1940, p. 325-326

AMADO, Jorge. Amado na Academia. São Paulo: Martins, 1961, p. 23

AMADO, Jorge. Gato malhado e andorinha Sinhá. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

AMADO, Jorge. Dona Flor e i suoi due mariti. Milano: Grazanti, 2003.

AMADO, Jorge. La bottega dei miracoli. Milano: Garzanti, 2006

AMADO, Jorge. Navigazione di cabotaggio. Milano: Garzanti, 1994

AMADO, Jorge. Nem a rosa, nem o cravo. Folha da Manhã, 22/04/1945. In:"Figuras do Brasil: 80 autores em 80 anos de Folha", PubliFolha - São Paulo, 2001, pág. 79, organização de Arthur Nestrovski.

AMADO, Jorge. P.S. Boletim de Ariel, Rio de Janeiro, n. 11, ago. 1933, p. 292

BENICIO DOS SANTOS, Itazil. Jorge Amado: Retrato incompleto. Rio de Janeiro: Record, 1993, p. 73.

LOPES, Filomeno. Dalla mediocrità all'eccellena. Riflessioni filosofiche di un immigrante africano. Firenze: S.U.I., 2015

O credo vermelho. In: Estado da Bahia, 17 de dezembro 1937, p. 3

OLIVEIRA FREITAS, Waldir. As Pesquisas na Bahia sobre os Afro-Brasileiros. In: Estudos Avançados, vol.18 no.50 São Paulo Jan./Apr. 2004

OLIVIERI.GODET, Rita. A dimensão da ética intercultural na obra de Jorge Amado. 2014 http://amerika.revues.org/4683 (Acesso em: 30 abril 2015)

ROSCILLI, Antonella Rita. Zélia de Euà rodeada de estrelas. Salvador: Casa de Palavras, 2006

ROSCILLI, Antonella Rita. Jorge Amado: il suo ideale politico attraverso l’opera letteraria. In: Revista Sagarana dirigida por Julio Monteiro Martins, n. 41, 2010. Sezione Saggi (Italia). Disponivel em: <http://www.sagarana.net/anteprima.php?quale=186#:~:text=Divenne%20scrittrice%20con%20il%20libro,per%20tutti%20gli%20esseri%20umani.> (Acesso em: 30 maio 2020)

ROSCILLI, Antonella Rita. Letteratura e migrazione. In: Rivista Patria, 2002, n. 2, p. 48-50

Disponivel em: <http://www.anpi.it/media/uploads/patria/2002/2/48_Roscilli.pdf> (Acesso em: 20 maio 2012)

ROSCILLI, Antonella Rita. Intercultura, o outro e atualidade de Jorge Amado . Atti del Congresso V SIMELP. Simposio Mondiale Studi Lingua Portoghese. Disponivel em: <http://simelp.it/node/77>

ROUANET, Sérgio Paulo. 2012. L'utopia meticcia di Jorge Amado. Tradução para o italiano de Antonella Rita Roscilli. Rivista Sarapegbe, A. I, n. 2. (2012). Número Monográfico. Centenário de Jorge Amado. Disponível em: <http://www.sarapegbe.net/articolo.php?quale=49&tabella=articoli> (Acesso em: 30 abril 2020)

Downloads

Publicado

2022-05-07

Como Citar

Roscilli, A. R. (2022). Representações da pluralidade cultural na luta para a inclusão e contra o racismo. O sonho intercultural na vida e na obra de Jorge Amado. A Cor Das Letras, 23(1), 163–172. https://doi.org/10.13102/cl.v22i3.7781

Edição

Seção

Dossiê: Um Jorge Amado para o século 21: leitores, narração, identidade, humanismo e mundos ficcionais