Aspectos clínicos e epidemiológicos da introdução do vírus Chikungunya em Sergipe

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.3335

Palavras-chave:

Epidemiologia, Infecções por Arbovírus, Vírus Chikungunya

Resumo

Introdução: A Febre do Chikungunya é uma enfermidade febril aguda emergente que acarreta alta morbidade. Objetivo: Este estudo objetiva descrever os aspectos clínicos e epidemiológicos da introdução do Vírus Chikungunya (CHIKV)
em Sergipe. Métodos: Trata-se de um estudo ecológico, com dados secundários do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) e do Laboratório Central de Sergipe (LACEN/SE), entre 2015-2017. Estudou-se variáveis sociodemográficas e clínicas dos casos confirmados de Chikungunya residentes no estado de Sergipe. Os dados foram tabulados pelo TABWIN e exportados para o Excel® 2016, para análise estatística utilizou-se o OpenEpi e teste qui-quadrado (p<0,05). Resultados: Demonstrou-se rápida expansão da enfermidade no território sergipano, atingindo nos 3 anos 82,7% dos municípios, com maior acometimento das microrregiões de saúde Grande Aracaju e Agreste Central. Dos 8806 casos confirmados verificou-se predominância em mulheres (60,79%), indivíduos de 20 a 59 anos (63,04%), pardos (27,46%), residentes em zona urbana (51,95%). Febre (83,8%), mialgia (77,9%) e artralgia (63,1%) estão entre os sintomas com maior frequência. Conclusão: O CHIKV apresenta grande potencial de disseminação no território e sua sintomatologia pode ser confundida com outros quadros infecciosos. Faz-se necessário o aprofundamento
do conhecimento sobre os diversos aspectos envolvidos no controle, diagnóstico e manejo clínico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlos Jivago Santos de Jesus, Departamento de Medicina de Lagarto/Universidade Federal de Sergipe

Graduando de Medicina

Departamento de Medicina de Lagarto

Universidade Federal de Sergipe

Daiane Andrade Santos, Departamento de Medicina de Lagarto/Universidade Federal de Sergipe

Graduando de Medicina

Departamento de Medicina de Lagarto

Universidade Federal de Sergipe

Marco Aurélio de Oliveira Góes, DEPARTAMENTO DE MEDICINA DE LAGARTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Médico Infectologista e de Família e Comunidade, Mestre em Saúde e Ambiente, Docente do Departamento de Medicina de Lagarto/UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Referências

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume 2. 1ª ed. atual. Brasília (DF); 2017. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/05/Guia-de-Vigilancia-em-Saude-2017-Volume-2.pdf. [2018 mar 03].

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Chikungunya: manejo clínico. Brasília (DF); 2017. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/maio/31/chikungunya_manejo_clinico_2017.pdf. [2018 mar 03]

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Preparação e resposta à introdução do vírus Chikungunya no Brasil. Brasília (DF); 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/preparacao_resposta_virus_chikungunya_brasil.pdf. [2018 mar 03].

Secretaria de Estado da Saúde. Núcleo Estratégico da Saúde. Informe epidemiológico nº44. Atualização da situação epidemiológica da Dengue, Chikungunya, Zika e dos casos de microcefalia em Sergipe. Sergipe; 2016. Disponível em: http://www.observatorio.se.gov.br/saude/images/Informe_Semanal_44_micro_chik_dengue_e_Zika_03.10.2016.pdf. [2018 mar 03].

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil em síntese / Sergipe: Panorama. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/se/panorama. [2018 mar 03].

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de Chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 52, 2016. Boletim epidemiológico 48(3). Brasília (DF); 2017. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/06/2017-002-Monitoramento-dos-casos-de-dengue--febre-de-chikungunya-e-febre-pelo-v--rus-Zika-ate-a-Semana-Epidemiologica-52--2016.pdf. [2018 mar 10]

Reyes EB, Avellaneda DN, Palomares LAA, Salazar MI. Chikungunya: Molecular Aspects, Clinical Outcomes and Pathogenesis. Rev Inves Clin. 2017; 69: 299-307. Disponível em: http://clinicalandtranslationalinvestigation.com/files/ric_2017_69_6_299-307.pdf . [2018 mar 10].

Nunes MRT, Faria NR, Vasconcelos JM, et al. Emergence and potential for spread of Chikungunya virus in Brazil. BMC. Med. 2015; 13 (1). Disponível em: https://bmcmedicine.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s12916-015-0348-x. [2018 mar 10].

Madariaga M, Ticona E, Resurrecion C. Chikungunya: bending over the Americas and the rest of the world. Braz J Infect Dis 2016; 20 ( 1 ): 91-98. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-86702016000100091&lng=en. [2018 mar 10].

Honório NA, Câmara DCP, Calvet GA, Brasil P. Chikungunya: uma arbovirose em estabelecimento e expansão no Brasil. Cad. Saúde Públ. 2015; 31(5): 906-908. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2015000500003&lng=en. [2018 mar 10].

Aguiar BS, Lorenz C, Virginio FSL, Chiaravalloti-Neto F. Potential Risks of Zika and Chikungunya Outbreaks in Brazil: a Modelling Study. International Journal of Infectious Diseases. 2018; 70: 20-29. Disponível em: http://www.ijidonline.com/article/S1201-9712(18)30043-2/pdf. [2018 mar 13].

Pham PN, Williams LT, Obot U, et al. Epidemiology of Chikungunya fever outbreak in Western Jamaica during July–December 2014. Research and Reports in Tropical Medicine 2017; 8:7–16.

Van Genderen FT, Krishnadath I, Sno R, Grunberg MG, Zijlmans W, Adhin MR. First Chikungunya Outbreak in Suriname; Clinical and Epidemiological Features. PLoS Negl Trop Dis. 2016; 10(4): e0004625.

Fuller TL, Calvet G, Genaro Estevam C, Rafael Angelo J, Abiodun GJ, Halai U-A, et al. Behavioral, climatic, and environmental risk factors for Zika and Chikungunya virus infections in Rio de Janeiro, Brazil, 2015-16. PLoS ONE 2017; 12(11): e0188002.

Weaver SC, Lecuit M. Chikungunya Virus and the Global Spread of a Mosquito-Borne Disease. N Engl J Med. 2015 26; 372(13): 1231-9.

Cunha MDP, Santos CAD, Neto DFL, Schanoski AS, Pour SZ, Passos SD, Souza MSF, Costa DD, Zanotto PMA. Outbreak of chikungunya virus in a vulnerable population of Sergipe, Brazil-A molecular and serological survey. J Clin Virol. 2017; 97: 44-49.

Brito CAA. Alert: Severe cases and deaths associated with Chikungunya in Brazil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2017; 50(5): 585-589. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822017000500585&lng=en. [2018 abr 01].

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de Chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 52, 2017. Boletim epidemiológico 49 (2). Brasília (DF); 2018. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/23/Boletim-2018-001-Dengue.pdf. [2018 mar 10].

Sá PKO, Nunes MM, Leite IR, Campelo MGLC, Leão CFR, Souza JR et al. Chikungunya virus infection with severe neurologic manifestations: report of four fatal cases. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2017 Mar; 50(2): 265-268. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822017000200265&lng=en. [2018 mar 28].

Pereira LP, Villas-Bôas R, Scott SSO, Nóbrega PR, Sobreira-Neto MA, Castro JDV et al . Encephalitis associated with the chikungunya epidemic outbreak in Brazil: report of 2 cases with neuroimaging findings. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2017 June; 50(3): 413-416. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822017000300413&lng=en . [2018 mar 28].

Downloads

Publicado

2019-07-21

Como Citar

Jesus, C. J. S. de, Santos, D. A., & Góes, M. A. de O. (2019). Aspectos clínicos e epidemiológicos da introdução do vírus Chikungunya em Sergipe. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 9, 47–54. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.3335

Edição

Seção

Artigos
Share |