Importância do apoio familiar no período gravídico-gestacional sob a perspectiva de gestantes inseridas no PHPN

Autores

  • Samara Alves Avanzi Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)
  • Carlos Alberto Dias Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)
  • Leonardo Oliveira Leão e Silva Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)
  • Marileny Boechat Frauches Brandão Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)
  • Suely Maria Rodrigues Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.3739

Palavras-chave:

Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento, Gestação, Família, Apoio familiar

Resumo

O presente estudo tem por objetivo analisar a percepção de gestantes sobre a importância do apoio familiar no período gravídico-gestacional, tendo como referência as vivências daquelas cadastradas no Sistema de Informação do Pré Natal (SISPRENATAL). Trata-se de estudo observacional, descritivo, de corte transversal quantiqualitativo, com dados coletados em entrevistas domiciliares realizadas junto a 80 gestantes inseridas no Programa de Humanização no Pré Natal e Nascimento (PHPN) a partir de 2016, na cidade de Governador Valadares/MG. A maioria (62,6%), das gestantes possui idade entre 20 e 30 anos, é casada ou vive em união estável (73,7%), tendo a maior parte o ensino fundamental completo ou médio incompleto (42,4%), seguida pelo grupo que possui o ensino médio completo ou superior incompleto (36,3%). A maioria (83,8%) recebeu apoio familiar ao longo da gestação manifestando interesse em serem acompanhadas durante o parto (70,0%) preferencialmente pelo marido/convivente (48,4%) ou pessoa que possui vivência de parto como a mãe (17,2%). Há dependência entre receber apoio ou ser acompanhada às consultas realizadas na Estratégia de Saúde da Família (ESF) e desejar que um familiar esteja presente durante o parto. A maioria das entrevistadas possui percepção positiva sobre apoio recebido bem como valorizam positivamente o envolvimento familiar neste contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Samara Alves Avanzi, Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)

Mestranda em Gestão Integrada do Território, Psicóloga e Pedagoga pela Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)

Carlos Alberto Dias, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Doutor em Psicologia Clínica, Professor do Curso de Turismo e do Mestrado Profissional Ensino em Saúde da Universidade Fedeal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

Leonardo Oliveira Leão e Silva, Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)

Doutor em Saúde Coletiva, Professor do curso de Medicina e do Mestrado em Gestão Integrada do Território da Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)

Marileny Boechat Frauches Brandão, Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)

Doutora em Odontopediatria, Professora do curso de Odontologia e do Mestrado em Gestão Integrada do Território da Universidade Vale do Rio Doce  (UNIVALE)

Suely Maria Rodrigues, Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE)

Doutora em Saúde Coletiva, Professora do curso de Odontologia e do Mestrado em Gestão Integrada do Território da Universidade Vale do Rio Doce  (UNIVALE)

Referências

Osis MJMD. Paism um marco na abordagem da saúde reprodutiva no Brasil. Cad. Saúde Pública 1998; 14(1): 25-32. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v14s1/1337.pdf. [2018 mar 3].

Cianciarullo TI, Silva GTR, Cunha ICKO. Uma nova estratégia em foco: o programa de saúde da família identificando as suas características no cenário do SUS. São Paulo: Ícone; 2005.

Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento. Brasília; 2000. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/parto.pdf. [2018 mar 9].

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília; 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf. [2018 mar 12].

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília; 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pre natal_puerperio_atencao_humanizada.pdf. [2018 fev 15].

Maldonado MT, Nahoum JC, Dickstein J. Nós estamos grávidos. Rio de Janeiro: Block; 1990.

Marin AH, Donelli TMS, Rita de CSL, Cesar AP. Expectativas e sentimentos de mães solteiras sobre a experiência do parto. Aletheia 2009; (29): 57-72. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n29/n29a06.pdf. [2018 fev 20].

Gabardo RM, Junges JR, Selli L. Arranjos familiares e implicações a saúde na visão dos profissionais do Programa Saúde da Família, Rev. Saúde Públ. 2009; 43(1): 91-97. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43n1/6943.pdf. [2018 maio 28].

Campana ÁO. Metodologia da investigação científica aplicada à área biomédica-2. Investigações na área médica. J. bras. pneumol. 1999; 25(2): 84-93. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jpneu/v25n2/v25n2a5.pdf. [2018 mar 28].

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2008.

Fonseca JJS. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC; 2002.

Martins HHTS. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educ. Pesqui. 2004; 30(2): 289-300. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v30n2/v30n2a07.pdf. [2018 mar 31].

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas; 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Planejamento, Orçamento e Gestão. Cidades. Brasília; 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1. [2018 abril 10].

Freitas H, Janissek R, Moscarola J, Baulac Y. Pesquisa interativa e novas tecnologias para coleta e análise de dados usando o Sphinx. Canoas: Sphinx, 2002.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Dessen MA, Braz MP. Rede social de apoio durante transições familiares decorrentes do nascimento de filhos. Psic. Teor. Pesq. 2000; 16(3): 221-231. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v16n3/4809.pdf. [2018 jan 10].

Silva LJ, Silva LR. Mudanças na vida e no corpo: vivencias diante da gravidez na perspectiva afetiva dos pais. Esc. Anna Nery 2009; 13(2): 393-401. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n2/v13n2a22.pdf. [2018 jan 30].

Costa ASM. Argumentações em torno das famílias caleidoscópio como expressão da pluralidade familiarista moderna. Meritum 2012; 7(1): 429-468. Disponível em: http://www.fumec.br/revistas/meritum/article/view/1210. [2018 fev 5].

Cano DS, Gabarra LM, More CO, Crepaldi MA. As transições familiares do divórcio ao recasamento no contexto brasileiro. Psicol. Reflex. Crit. 2009; 22(2): 214-222. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v22n2/a07v22n2.pdf. [2018 jan 20].

Dessen MA, Ramos PCC. Crianças pré-escolares e suas concepções de família. Paidéia (Ribeirão Preto) 2010; 20(47): 345-357. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/paideia/v20n47/a07v20n47.pdf. [2018 jan 25]

Faleiros FTV, Trezza EMC, Carandina L. Aleitamento materno: fatores de influência na sua decisão e duração. Rev. Nutr. 2006; 19(5): 623-630. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rn/v19n5/a10v19n5.pdf. [2018 fev 25].

Perdomini FRI, Bonilha ALL. A participação do pai como acompanhante da mulher no parto. Texto contexto - enferm. 2001; 20(3): 445-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v20n3/04. [2018 abril 28].

Soifer R. Psicologia da gravidez, parto e puerpério. Porto Alegre: Artes Médicas; 1980.

Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, Aborto e Puerpério: Assistência humanizada à Mulher. Brasília; 2001. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd04_13.pdf. [2018 fev 10].

Rezende J, Montenegro CAB. Obstetrícia Fundamental. Rio de Janeiro: Guamabara Koogan; 2013.

Damasceno VO, Romero E, Beltrão FB, Beresford H, Novaes JS. Imagem corporal e corpo ideal. R. bras. Ci. e Mov. 2006; 14(2): 81-94. Disponível em: https://bdtd.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/691/696. [2018 abril 20].

Presidência da República (BR). Lei nº 11.108, de 07 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Brasília; 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm. [2018 maio 8].

Downloads

Publicado

2019-07-14

Como Citar

Avanzi, S. A., Dias, C. A., Silva, L. O. L. e, Brandão, M. B. F., & Rodrigues, S. M. (2019). Importância do apoio familiar no período gravídico-gestacional sob a perspectiva de gestantes inseridas no PHPN. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 9, 55–62. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.3739

Edição

Seção

Artigos
Share |