A poesia Pneumotórax de Manuel Bandeira: reflexões sobre o cuidado em saúde a partir da Clínica Ampliada

Autores

  • Elane da Silva Barbosa UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE
  • Ailton Siqueira de Sousa Fonseca Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN
  • Alcivan Nunes Vieira Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN
  • Camila de Araújo Carrilho UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE
  • Márcia Jaínne Campelo Chaves Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN
  • Suênia de Lima Duarte Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4599

Palavras-chave:

Assistência integral em saúde, Poesia, Profissional de saúde.

Resumo

A atuação do profissional de saúde adquire determinados contornos em cada abordagem clínica. A fim de valorizar a assistência integral em saúde sob outras perspectivas, além daquela inspirada no modelo biomédico, vem ganhando espaço a Clínica Ampliada. A poesia, enquanto linguagem sensível da vida humana, pode se constituir em estímulo para a reflexão do profissional de saúde sobre a sua prática. Este ensaio se propõe, portanto, a refletir sobre o cuidado em saúde na perspectiva da Clínica Ampliada. Como operador cognitivo que instigue reflexões acerca dessa temática, utiliza-se a poesia “Pneumotórax”, de Manuel Bandeira. Esse poema tem caráter autobiográfico, pois Bandeira fora diagnosticado com tuberculose, incurável naquela época. O profissional de saúde nessa poesia não restringe o sujeito aos sinais e sintomas, mas valoriza outros aspectos da sua existência. Essa reflexão, na área da saúde, responde por Clínica Ampliada, a qual se centra no sujeito, e não na patologia. Assim, o cuidado em saúde pressupõe relações entre os sujeitos e as maneiras como as necessidades e os problemas de saúde serão apreendidos. O poema Pneumotórax suscita esta reflexão-ação por parte do profissional de saúde: tornar-se mediador que instiga o outro a aceitar a doença como companheira no desafiador itinerário humano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Elane da Silva Barbosa, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE

Doutora em Educação pela Universidade Estadual do Ceará - UECE. Mestra em Educação pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN. Especialista em Enfermagem do Trabalho pela FIJ. Bacharelada e Licenciada em Enfermagem pela UERN. Coordenadora acadêmica e professora da Faculdade de Enfermagem Nova Esperança de Mossoró - FACENE/RN.

Ailton Siqueira de Sousa Fonseca, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN

Doutor em Ciências Sociais pela PUC/SP, São Paulo, São Paulo, Brasil. Professor do Departamento de Ciências Sociais e Política e do Mestrado Interdisciplinar em Ciências Sociais e Humanas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN, Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil.

Alcivan Nunes Vieira, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN

Doutor em Cuidados Clínicos em Saúde pela UECE, Fortaleza, Ceará, Brasil. Docente do curso de Enfermagem da UERN, Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil.

Camila de Araújo Carrilho, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ - UECE

Mestra em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pela UECE, Fortaleza, Ceará, Brasil. Docente do curso de Enfermagem da Faculdade Católica Rainha do Sertão – FCRS, Sobral, Ceará, Brasil.

Márcia Jaínne Campelo Chaves, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação – POSEDUC/UERN, Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil. Especialista em Saúde da Família pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB e em Educação à Distância: Fundamentos e Ferramentas pela UECE, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Suênia de Lima Duarte, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN

Mestra em Educação pela UERN. Professora Adjunta I do curso de Educação Física da UERN, Mossoró, Rio Grande do Norte, Brasil.

Referências

Nietzsche FW. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras; 2005.

Nietzsche FW. A gaia ciência. 2 ed. São Paulo: Escala; 2007.

Vieira AN, Silveira LC, Franco TB. A formação clínica e a produção do cuidado em saúde e em enfermagem. Trab. Educ. Saúde. 2011; 9(1):9-22.

Camargo Júnior KR. A biomedicina. Physis: Revista de Saúde Coletiva.1997; 15:177-201.

Campos GWS. A clínica do sujeito: por uma clínica reformulada e ampliada. In: Campos GWS Org. Saúde paidéia. São Paulo: Hucitec; 2003. p. 51-67.

Morin E. Amor, poesia, sabedoria. 8 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; 2008.

Bandeira M. Bandeira de bolso: uma antologia poética. Porto Alegre: L± 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.

Nietzsche FW. O viajante e sua sombra. São Paulo: Escala; 2007.

Cyrulnik B. Falar de amor à beira do abismo. São Paulo: Martins Fontes; 2006.

Alves R. O médico. 5 ed. Campinas: Papirus; 2005.

Restrepo LC. O direito à ternura. 3 ed. Petrópolis: Vozes; 1994.

Texeira RR. A Grande Saúde: uma introdução à medicina do Corpo sem Orgãos. Interface: Comunicação, Educação, Saúde. 2004; 8(14): 35-72.

Morin E. O método 6: ética. 3 ed. Porto Alegre: Sulina; 2007.

Downloads

Publicado

2019-11-01

Como Citar

Barbosa, E. da S., Fonseca, A. S. de S., Vieira, A. N., Carrilho, C. de A., Chaves, M. J. C., & Duarte, S. de L. (2019). A poesia Pneumotórax de Manuel Bandeira: reflexões sobre o cuidado em saúde a partir da Clínica Ampliada. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 9, 107–112. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4599

Edição

Seção

Ensaio
Share |