Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono em pacientes atendidos na Saúde Pública

Autores

  • Renan Salgado Teixeira Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora/MG - SUPREMA
  • Matheus Fávero Damasceno
  • João Lucas Pereira Niman Departamento de Pesquisa e Extensão da Suprema
  • Giulia Carraca Soares
  • Mariana Reis Stefani
  • Djalma Ricardo Rabelo
  • Andressa Silva de Mello
  • Plínio Santos Ramos

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4820

Palavras-chave:

Saúde Pública, Saúde Coletiva, Atenção Primária à Saúde

Resumo

A síndrome da apneia obstrutiva do sono é uma condição crônica, com episódios recorrentes de colapso das vias aéreas superiores no sono, com distúrbios respiratórios e fragmentação do sono. Evidências confirmam a relação entre a síndrome e o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, assim como idade, sexo e obesidade, como fatores de risco para o desenvolvimento do distúrbio. Este estudo tem como objetivo avaliar a prevalência da síndrome em pacientes da atenção primária à saúde e sua influência na morbidade dos indivíduos. O estudo utilizou amostra de 94 indivíduos de Minas Gerais. A Escala de Sonolência de Epworth e o Questionário de Berlim foram utilizados para analisar variáveis como peso, pressão arterial sistólica e circunferência do pescoço. Segundo a Escala de Epworth, a prevalência de sonolência diurna foi de 26,6%, enquanto no Questionário de Berlim foi de 60,7%. Não houve diferença significativa entre os resultados positivos do Questionário de Berlim nas variáveis. Usuários de serviços de atenção primária apresentaram alta prevalência para a síndrome. Isso destaca a necessidade de modificar a entrevista, incluindo perguntas sobre sono e ronco na abordagem inicial, bem como a aplicação de questionários. Com base em seus resultados, a doença é abordada, propondo mudanças no estilo de vida que minimizariam seus efeitos.

AbstrAct Obstructive sleep apnea syndrome is a chronic condition, with recurrent episodes of upper airway collapse in sleep, with respiratory disorders and sleep fragmentation. Evidence confirms the relationship between the syndrome and the development of cardiovascular diseases, as well as age, gender and obesity, as risk factors for the disorder development. This study aims to evaluate the prevalence of the syndrome in patients from primary health care and its influence on the morbidity of individuals. The study used a sample of 94 individuals from Minas Gerais. The Epworth Sleepiness Scale and the Berlin Questionnaire were used to analyze variables such as weight, systolic blood pressure and neck circumference. According to the Epworth Scale, the prevalence of daytime sleepiness was 26.6%, while in the Berlin Questionnaire was 60.7%. There was no significant difference between the positive results of the Berlin Questionnaire in the variables. Users of primary care services had a high prevalence for the syndrome. This highlights the need to modify the interview, including sleep and snoring questions in the initial approach, as well as the application of questionnaires. Based on its results, the disease is addressed, proposing lifestyle changes that would minimize its effects.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Renan Salgado Teixeira, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora/MG - SUPREMA

Departamento de Pesquisa e Extensão da Suprema

Matheus Fávero Damasceno

Departamento de Pesquisa e Extensão da Suprema

João Lucas Pereira Niman, Departamento de Pesquisa e Extensão da Suprema

Departamento de Pesquisa e Extensão da Suprema

Giulia Carraca Soares

Departamento de Pesquisa e Extensão da Suprema

Mariana Reis Stefani

Departamento de Pesquisa e Extensão da Suprema

Djalma Ricardo Rabelo

Professor da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de juiz de Fora (FCMS-JF) – SUPREMA, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

Andressa Silva de Mello

Professora do Centro de Estudos em Psicobiologia e Exercício Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Plínio Santos Ramos

Professor da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de juiz de Fora (FCMS-JF) – SUPREMA, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil.

Referências

Balbani APS, Formigoni GGS. Ronco e síndrome da apnéia obstrutiva do sono. Rev. Ass. Med. Bras. 1999; 45(3): 273-8.

Araghi MH, Chen YF, Jagielski A, Choudhury S, Banerjee D, Hussain S, et al. Effectiveness of Lifestyle Interventions on Obstructive Sleep Apnea (OSA): Systematic Review and Meta-Analysis. Sleep 2013; 36 (10): 1553-62.

Punjabi NM. The Epidemiology of Adult Obstructive Sleep Apnea. Proc Am Thorac Soc 2008; 5:136-143.

Young T, Peppard PE, Taheri S. Excess weight and sleepdisordered breathing. J Appl Physiol 2005; 99:1592-99.

Hedner J, Bengtsson-Bostrom K, Peker Y, Grote L, Rastam L, Lindblad U. Hypertension prevalence in obstructive sleep apnoea and sex: a population-based case–control study. Eur Respir J 2006; 27: 564-70.

Peker Y, Carlson J, Hedner J. Increased incidence of coronary artery disease in sleep apnoea: a long-term follow-up. Eur Respir J 2006; 28: 596-602.

Peppard PE, Young T, Palta M, Skatrud J. Prospective Study of the Association Between Sleep-Disordered Breathing and Hypertension. N Engl J Med 2000; 342(19): 1378-84.

Daltro CHC, Fontes FHO, Santos-Jesus R, Gregorio PB, Araujo LMB. Síndrome da Apnéia e Hipopnéia Obstrutiva do Sono: Associação com Obesidade, Gênero e Idade. Arq Bras Endocrinol Metab 2006; 50 (1): 74-81.

Boari L, Cavalcanti CM, Bannwart SRFD, Sofia OB, Dolci JEL. Avaliação da escala de Epworth em pacientes com a Síndrome da apnéia e hipopnéia obstrutiva do sono. Rev. Bras. Otorrinolaringol. 2004; 70 (6): 752-6.

Vaz AP, Drummond M, Caetano MP, Severo M, Almeida J, Winck JC. Tradução do Questionário de Berlim para língua Portuguesa e sua aplicação na identificação da SAOS numa consulta de patologia respiratória do sono. Rev. Port. Pneumol. 2011;17(2): 59-65.

Ito FA, Ito RT, Moraes NM, Sakima T, Bezerra MLS, Meirelles RC. Condutas terapêuticas para tratamento da Síndrome da Apnéia e Hipopnéia Obstrutiva do Sono (SAHOS) e da Síndrome da Resistência das Vias Aéreas Superiores (SRVAS) com enfoque no Aparelho AntiRonco (AAR-ITO). R Dental Press Ortodon Ortop Facial 2005; 10 (4): 143-156.

Zhang W. Obstructive sleep apnea syndrome (OSAS) and hypertension: Pathogenic mechanisms and possible therapeutic approaches. Ups J Med Sci 2012; 117(4): 370-82.

Krieger AC, Redeker NS. Obstructive sleep apnea syndrome: its relationship with hypertension. J Cardiovasc Nurs 2002; 17(1):1-11.

Kario K. Obstructive sleep apnea syndrome and hypertension: ambulatory blood pressure. Hypertens Res 2009; 32(6): 428-32.

Bawden FC, Oliveira CA, Caramelli P. Impact of obstructive sleep apnea on cognitive performance. Arq Neuropsiquiatr 2011; 69 (4): 585-589.

World Health Organization. Obesity. Disponível em: URL: http://www.who.int/topics/obesity/en/. [2014 Out 24].

Stelmach-Mardas M, Mardas M, Iqbal K, Kostrzewska M, Piorunek T. Dietary and cardio-metabolic risk factors in patients with Obstructive Sleep Apnea: cross-sectional study. Peer J 2017; 5: e3259.

Strohl KP, Redline S. Recognition of obstructive sleep apnea. Am J Respir Crit Care Med 1996; 154: 279–289.

Bixler EO, Vgontzas AN, Lin HM, Ten Have T, Rein J, Vela-Bueno A et al. Prevalence of sleep-disordered breathing in women: effects of gender. Am J Respir Crit Care Med 2001; 163: 608-13.

Kong DL, Qhin Z, Shen H, Jin HY, Wang W, Wang ZF. Association of Obstructive Sleep Apnea with Asthma: A Meta-Analysis. Scientific Reports 2017; 7: 4088: 4446-6. 21.

Sharma N, Lee J, Youssef I, Salifu MO, McFarlane SI. Obesity, Cardiovascular Disease and Sleep Disorders: Insights into the Rising Epidemic. J Sleep Disord Ther 2017; 6(1): 1000e145.

Pedrosa RP, Lorenzi-Filho G, Drager L. Obstructive sleep apnea and cardiovascular disease. Rev Med (São Paulo) 2008;87(2): 121-7.

Rodrigues MM, Dibbern RS, Santos VJB, Passeri LA. Influence of obesity on the correlation between laryngopharyngeal reflux and obstructive sleep apnea. Braz J Otorhinolaryngol 2014; 80 (1):5-10.

Logan AG, Tkacova R, Perlikowski SM, Leung RS, Tisler A, Floras JS et al. Refractory hypertension and sleep apnea: effect of CPAP on blood pressure and baroreflex. Eur Respir J 2003; 21:241-7.

Boléo-Tomé JP, Salgado S, Oliveira AS, Pinto P, Bugalho A, Feliciano A et al. Prevalência de doença cardiovascular numa população de doentes com síndrome de apneia obstrutiva do sono. Rev. Port. Clin. Geral 2008; 24: 355-61.

Downloads

Publicado

2019-12-28

Como Citar

Salgado Teixeira, R., Fávero Damasceno, M., Pereira Niman, J. L., Carraca Soares, G., Reis Stefani, M., Ricardo Rabelo, D., Silva de Mello, A., & Santos Ramos, P. (2019). Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono em pacientes atendidos na Saúde Pública. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 9, 225–229. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4820

Edição

Seção

Artigos
Share |