Participação masculina no abortamento induzido

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4832

Palavras-chave:

Abortamento, Saúde da mulher, Direitos sexuais e reprodutivos, Identidade de gênero e saúde

Resumo

Introdução: O aborto é o produto da concepção eliminado no abortamento. A decisão em abortar evidencia a não realização de planejamento reprodutivo, a violência doméstica, o abandono paterno e a escassez e/ou oferta de meios econômicos. Objetivo: Analisar como os homens participam do processo de abortamento induzido. Metodologia: Estudo de campo com abordagem qualitativa exploratória, realizada na zona rural do município de Antônio Gonçalves, Bahia. Por meio da técnica snowball, cinco pessoas foram entrevistadas e as narrativas foram processadas pelo Software IRAMUTEQ que gerou a Análise de Similitude. Resultados: Expressa-se a participação ativa e a influência decisiva dos homens no processo de abortamento induzido, por meio da oferta de método abortivo, da negação da paternidade e do abandono da parceira. Conclusão: O desamparo e a perda da autonomia da mulher em decidir sobre a continuidade da sua gestação torna essencial a elaboração de políticas públicas que incluam, cada vez mais, o homem no cenário reprodutivo. A abordagem dessa temática deve ser realizada de modo constante, nos espaços públicos e privados, pois somente o debate acerca da temática poderá contribuir no processo de humanização.

Abstract

Introduction: Abortion is the product of conception eliminated in abortion. The decision to abort highlights the failure to carry out reproductive planning, domestic violence, parental abandonment, and the scarcity and/or supply of economic means. Objective: To analyze how men participate in the induced abortion process. Methodology: field study with exploratory qualitative approach, carried out in the rural area of   the city of Antônio Gonçalves, Bahia. Through the snowball technique, five people were interviewed and the narratives were processed by the IRAMUTEQ Software that generated the Similitude Analysis. Results: The active participation and decisive influence of men in the induced abortion process is expressed through the offer of abortion method, the denial of paternity and the abandonment of the partner. Conclusion: The helplessness and loss of women’s autonomy in deciding on the continuity of their pregnancy makes it essential to develop public policies that increasingly include men in the reproductive scenario. The approach of this theme must be performed constantly, in public and private spaces, because only the debate about the theme can contribute to the process of humanization.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Renato Santos Oliveira, Universidade do Estado da Bahia-Campus VII

Graduação em andamento em Enfermagem.
Universidade do Estado da Bahia, UNEB, Brasil.

Cleuma Sueli Santos Suto, Universidade do Estado da Bahia, Campus VII- Colegiado de Enfermagem

Enfermeira, em andamento no curso de doutoramento pela EEUFBA. Mestra em enfermagem pela UFBA, especialização em Obstetrícia e Saúde Pública pela UEFS. Professora da Universidade do Estado da Bahia- Campus VII. Integrante do Grupo de Pesquisa Saúde da mulher, gênero e integralidade do cuidado. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: HIV/Aids, sexualidade, atenção básica, enfermagem e gestão

Larissa Beatriz Ferreira Paiva, Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde da Universidade Federal da Bahia Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiras/os obstetras e neonatais

Enfermeira Obstétrica, graduada pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Especialista em Enfermagem Obstétrica pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Mestranda em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia. Integrante do Centro de Estudos em Saúde da Mulher (GEM) da UFBA. Coordenadora da comissão permanente de Publicação e Divulgação da Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiras/os obstetras e neonatais ( ABENFO/Seccional Bahia)

Chalana Duarte Sena Fraga, Universidade do Estado da Bahia- Campus VII

Enfermeira, mestra em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia. Possui graduação em Enfermagem pela Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco, pós graduação em Obstetrícia pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e extensão (IBPEX). Professora auxiliar da Universidade Estadual da Bahia Campus VII Senhor do Bonfim, docente da disciplina Saúde da Mulher. Tem experiência em Pesquisa e extensão nas linhas de pesquisa: mulher, gênero e saúde. Coordenadora do Grupo de Apoio ao Pré-Natal GESTAMOR

Amanda Santos Araújo, Universidade do Estado da Bahia-Campus VII

Graduanda no curso de Bacharelado em Enfermagem pela UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), ingressa no ano de 2014. Monitora do PROJETO DE MONITORIA DE ENSINO da referente instituição, nos componentes curriculares de ANATOMIA HUMANA e FISIOLOGIA HUMANA. Participante do Grupo de Extensão (GAAM- Grupo de Apoio ao Aleitamento materno) e pesquisa, vinculados a UNEB. Possui formação técnica em Administração pelo Centro Territorial de Educação Profissional Piemonte Norte do Itapicuru CETEP- PNI

Carle Porcino, Universidade Federal da Bahia

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde (PPGNEF)/UFBA. Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre a Universidade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Formação em Psicologia pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC Salvador) (2007). Atua voluntariamente enquanto psicóloga na Associação de Travestis de Salvador (ATRAS)/Grupo Gay da Bahia (GGB). Estudante do Grupo de Pesquisa em Sexualidades, Vulnerabilidades, Drogas e Gênero (SVDG) e do Núcleo de Estudos Interdisciplinares em Saúde, Violência e Subjetividade (SAVIS) da UFBA. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Clínica, atuando principalmente nos seguintes temas: travestilidades, transexualidades, transgeneridades, envelhecimento, representações sociais, práticas de modificações corporais, redução de danos

Jamile Guerra Guerra Fonseca, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Enfermeira com especialização em obstetrícia. Mestrado interdisciplinar em Enfermagem e Saúde com ênfase . Doutorado em Enfermagem e Saúde com período sanduíche no Centro de Investigação em relações interculturais - UAB, Lisboa. Pesquisadora do Grupo Saúde da mulher, gênero e integralidade do cuidado da Universidade Federal da Bahia. Docente em dedicação exclusiva da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Atuou na representação discente no doutorado e tem experiência na docência e coordenação de graduação e pós graduação. É autora do livro Aborto legal no Brasil: avanços e retrocessos e autora do livro Representações Sociais da Família sobre o cuidado de idoso dependente. Atua nas seguintes linhas: saúde coletiva, saúde da mulher, gênero e saúde, direitos reprodutivos, diversidades, cultura e relações étnico-raciais.

Referências

Brasil. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Atenção humanizada ao abortamento: norma técnica. Brasília, 2011. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_ humanizada_abortamento.pdf>. [2018 dez 12].

Organização Mundial da Saúde. Abortamento seguro: orientação técnica e de políticas para sistemas de saúde. Genebra - Suíça, 2013; 135 p. Disponível em: https://apps. who.int/iris/bitstream/10665/70914/7/9789248548437_ por.pdf. [2018 dez 10].

Ventura M. Direitos reprodutivos no Brasil. Brasília: UNFPA, 2009.

Sell SE, Santos EKA, Velho MB, Erdmann AL, Rodriguez MJH. Motivos e significados atribuídos pelas mulheres que vivenciaram o aborto induzido: revisão integrativa. Rev. esc. enferm. USP 2015; 49(3): 495-501.

Gusmão CSD, Pichelli AAWS. Identidade masculina hegemônica e o impacto na penalização feminina do aborto provocado e saúde reprodutiva. Revista gênero e direito: centro de ciências jurídicas 2014; 3 (2): 229-251.

Goes E. As mulheres abortam sozinhas, mas não engravidam com o dedo. Rede Brasileira de Justiça Ambiental (Fortaleza); 2016. Disponível em: . [2018 jan 14].

Costa MDL, Viana AJB, Sousa ESS. Relações de gênero e o abortamento provocado: uma perspectiva androcêntrica? 17º encontro nacional da rede feminista do norte e nordeste de estudos e pesquisa sobre a mulher e relações de gênero. Paraíba, 2012. Disponível em:

<http://www.ufpb.br/evento/index.php/17redor/17redor/ paper/view/237/106>. [2018 out 21].

Prodanov CC, Freitas EC. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale; 2013.

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: Consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa (São Paulo) 2017; 5(7): 01-12.

Camargo BV, Justo AM. Iramuteq: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas Psicol. 2013; 21(2): 513-518.

Cisne M, Castro VV, Oliveira GMJC. Aborto inseguro: um retrato patriarcal e racializado da pobreza das mulheres. R. Katál 2018; 21(3): 452-470.

Chumpitaz VAC. Percepções femininas sobre a participação do parceiro nas decisões reprodutivas e no aborto induzido. [Mestrado Dissertação - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca/Fundação Oswaldo Cruz]. Rio de Janeiro; 2003.

Smigay KEV. Aborto provocado e produção de significados no universo masculino: uma contribuição ao debate feminista. Psicologia e Práticas Sociais 2008; 273-288.

Duarte GA, et al. Perspectiva masculina acerca do aborto provocado. Rev. Saúde Pública 2002;36: 271-277.

Souza ZCSN, Diniz NMF. Aborto provocado: o discurso das mulheres sobre suas relações familiares. Texto contexto - enferm. 2011; 20(4): 742-750.

Nonnenmacher D. Abortamento: depressão e percepção das mulheres quanto às reações e condutas do parceiro em duas capitais brasileiras. [Mestrado Dissertação Faculdade de Medicina - Universidade de São Paulo]. São Paulo; 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/D.5.2013. tde-27092013-143636. [2018 out 12].

Porto RM, Sousa CHD. "Percorrendo caminhos da angústia": itinerários abortivos em uma capital nordestina. Rev. Estud. Fem. 2017;25(2): 593-616.

Oliveira MS, Barbosa ICFJ, Fernandes AFC. Razões e sentimentos de mulheres que vivenciaram a prática do aborto. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2005; 6(3): 23-30.

Roso A, Cardinal MF, Romio CM, Somavilla LF. Relatos de aborto medicamentoso na internet: ilegalidade restringindo os direitos das mulheres. Conexãocomunicação e cultura 2018; 16(32): 65-96.

Borsari CMG. Aborto provocado: vivência e significado. Um estudo fundamentado na fenomenologia. [Mestrado Dissertação - Universidade de São Paulo] São Paulo; 2012. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.11606/D.5.2012. tde-20062012-164737>. [2019 mar 19].

Villela WV, Miura PO, Tardivo LSPC, Barrientos DMS. Motivos e circunstâncias para o aborto induzido entre mulheres vivendo com HIV no Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2012; 17: 1709-1719.

Miura PO, Tardivo LSPC, Barrientos DMS. O desamparo vivenciado por mães adolescentes e adolescentes grávidas acolhidas institucionalmente. Ciênc. saúde coletiva 2018; 23: 1601-1610.

Santos DLA, Brito RS de. Processo decisório do aborto provocado: vivência de mulheres. Physis 2014; 1293-1314.

Araújo MCR, Moche EG. Aborto provocado: fatores associados em mulheres admitidas em maternidades públicas em São Luís, Maranhão, Brasil. Rev. Paul. Enferm. 2008; 27(2): 79-86.

Paucar LMO de. Representação da gravidez e aborto na adolescência: estudo de casos em São Luís do Maranhão. [Doutorado Tese - Faculdade de Educação

de Campinas/Universidade Estadual de Campinas] São Paulo, 2003. Disponível em: <http://repositorio.unicamp. br/jspui/handle/REPOSIP/252352>. [2019 mai 13].

Maranhão TA, Gomes RO, Barros IC. Fatores preditores do abortamento entre jovens com experiência obstétrica. Rev. bras. epidemiol. 2016; 19: 494-508.

Peixoto MT, Carvalho RC, Vilasboas ALQ. Projeto terapêutico familiar: uma tecnologia de gestão do cuidado na saúde da família. Rev. saúde col. UEFS 2017; 7(2): 35-43.

Downloads

Publicado

2019-12-28

Como Citar

Oliveira, J. R. S., Suto, C. S. S., Paiva, L. B. F., Fraga, C. D. S., Araújo, A. S., Porcino, C., & Fonseca, J. G. G. (2019). Participação masculina no abortamento induzido. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 9, 230–238. https://doi.org/10.13102/rscdauefs.v9i0.4832

Edição

Seção

Artigos
Share |